Marinha

Cando digo Marinha recobro a fe,

o mundo renasce e todo cobra sentido,

as fontes rebrotan e volvo crer no amor.

Cando quero sonhar digo Marinha,

cando quero ter fe ou esperanza digo o teu nome,

cando desexo entrelazarme a distancia pénsote ou cerro os olhos-

Espertar ou rir é obra do noso gozo ou eterna aperta.

Beixar é tocar a distancia os teus labios,

amar é rir ou mirarnos ao lonxe

,

romanticismo é compenetrarnos e fluir cada dia xuntos.

Cando digo Marinha sinto cos sonhos som realidade,

Como dicia Pessoa o amor é cursi, tem que selo.

Marinha o meu amor furtivo e secreto, envexado polos deuses. Perseguido por aqueles que nos vem beixandonos ou extasiados por toda Galiza ou por este absurdo mundo.

Cando digo Marinha, choro e rio. Asmote.

Cando digo Marinha todo ri, faste presente en cada rincón desta galaxia. Ti es a medida de todas as cousas. Ti es o gozo e a tenrura, os teus detalhes e dozura som o elixir e néctar deste o noso amor. Ti es o carisma, ti es o grandor, ti o alento, o alouminho, Todo.

About osomdaalma

Carlos Garcia, da Galiza e de muitas coisas: Pessoa sendeirismo ler xadrez política desporte Galiza A lusofonia O Cinema
Esta entrada foi publicada en Uncategorized. Ligazón permanente.